Mercado Imobiliário

O home office está mudando a forma com a qual as pessoas buscam imóveis

O home office já é uma realidade para muitas pessoas. Cada vez mais, empresas têm adotado esse modelo de trabalho, no qual o colaborador desempenha funções de casa, sem precisar se deslocar até o escritório.

Por que estamos falando sobre isso em um blog de negócios imobiliários? Bom: isso mudou a forma com a qual as pessoas estão buscando por novos imóveis. Vamos conversar melhor sobre isso?

O home office é prática muito comum em outros países, como os Estados Unidos e muitos países da Europa. Estudos indicam que trabalhar de casa, ao contrário do que se pensava anteriormente, aumenta a produtividade dos colaboradores, reduzem custos para ambos e aumenta a qualidade de vida das pessoas.

Há alguns anos, o home office também começou a ser desmistificado no Brasil e, então, mais empresas passaram a aceitar a ausência do funcionário dentro do espaço físico da empresa ao menos uma vez na semana (ou de forma mais esporádica).

Um quarto a mais, por favor!

Por que, então, isso mudou a forma com a qual pessoas buscam por imóveis? Bem: o home office é uma prática que exige disciplina. Muitas pessoas optam por não trabalhar em casa pois alegam não conseguir se concentrar no trabalho, dispersando-se rapidamente nas tarefas domésticas.

Para solucionar o problema, as pessoas passaram a transformar um dos cômodos em um “escritório” particular, isolando-se da movimentação da casa e concentrando-se na demanda de trabalho. Funcionou!

A solução é o melhor dos dois mundos: um ambiente confortável para trabalhar, calmo e silencioso, plenamente equipado para produzir a demanda de trabalho – mas sem os gastos de locomoção e alimentação que se tinha ao trabalhar presencialmente na empresa.

Os horários também são mais flexíveis – e o guarda-roupa também!

Assim, pessoas adeptas ao home office passaram a considerar esse cômodo extra na hora de escolher um apartamento ou casa.

“Faz sentido, financeiramente?”

Você deve estar se perguntando: “mas isso faz sentido, financeiramente?”. A pergunta é coerente, afinal, um imóvel com um dormitório ou cômodo extra certamente será mais caro do que aquele pelo qual você procuraria normalmente.

O fato é que, se as despesas forem colocadas na ponta do lápis, certamente você não sairá no prejuízo.

Se você divide o imóvel com um cônjuge ou amigo, então, as despesas com o quarto extra serão ainda mais reduzidas.

Ao mesmo passo que um cômodo a mais eleva o custo de locação ou venda de um imóvel, outras opções são ainda mais prejudiciais ao seu bolso, como optar por um coworking, por exemplo, ou mesmo voltar a deslocar-se até o trabalho.

Além disso, não é apenas para trabalhar que você se utilizará desse espaço: quem desempenha atividades paralelas como pintura ou toca algum instrumento também encontrará no cômodo extra um ótimo lugar para relaxar e aproveitar os momentos de tempo livre.

Mesmo outras práticas, como a Ioga, por exemplo, que necessita de local silencioso e isolado para ser mais prazerosa, pode ser feita ali.

O que achou da ideia? Deixe sua opinião nos comentários! Será um prazer interagir com você.